SURMA

Surma é o alter-ego musical de Débora Umbelino, que é original de Leiria mas, sozinha em palco, leva-nos a visitar locais bem mais exóticos.

 

Inspira-se no silêncio e rodeia-se de teclas, samplers, cordas, vozes e loop stations em sonoridades que fogem do jazz para o post-rock, da electrónica para o noise e nos levam para paragens mais ou menos incertas, com paisagens desconhecidas e muito prazer na viagem.

O disco de estreia, "Antwerpen", lançado no final de 2017 recebeu páginas de destaque em meios como o Público, Expresso ou Blitz, figurou na maioria das listas de melhores do ano, correu doze países em digressão (passando já este ano pelos palcos do Eurosonic, South By Southwest, New York Indie Music Week, NOS ALIVE, Paredes de Coura, Waves Vienna ou Iceland Airwaves)  e  foi nomeado como melhor disco independente europeu pela Associação Europeia de Editoras Independentes, ao lado de nomes como The XX, Ibeyi, King Krule, Laura Marling, Fever Ray ou Haldus Harding.

Com destaques em meios como a norte-ameriacana NPR, a inglesa BBC, as alemãs NDR ou MusikExpress e distribuição do seu disco de estreia em vários países e agenciamento internacional pela Toutpartou, Surma tem trilhado uma carreira internacional que neste ano de 2018 já a levou a mais de 50 concertos em catorze países.

O primeiro single de "Antwerpen", "Hemma" valeu-lhe também a nomeação para os Prémios Autores SPA referentes à melhor canção do ano.

Apesar dos extensos periodos de digressão e cá em Portugal também conta já com 30 concertos este ano, Surma já trabalha em material novo, assim como temas para bandas sonoras (como a da longa metragem SNU) e há ainda algumas colaborações a serem ultimadas.

ENG

 

SURMA

Surma é o alter-ego musical de Débora Umbelino, que é original de Leiria mas, sozinha em palco, leva-nos a visitar locais bem mais exóticos.

 

Inspira-se no silêncio e rodeia-se de teclas, samplers, cordas, vozes e loop stations em sonoridades que fogem do jazz para o post-rock, da electrónica para o noise e nos levam para paragens mais ou menos incertas, com paisagens desconhecidas e muito prazer na viagem.

O disco de estreia, "Antwerpen", lançado no final de 2017 recebeu páginas de destaque em meios como o Público, Expresso ou Blitz, figurou na maioria das listas de melhores do ano, correu doze países em digressão (passando já este ano pelos palcos do Eurosonic, South By Southwest, New York Indie Music Week, NOS ALIVE, Paredes de Coura, Waves Vienna ou Iceland Airwaves)  e  foi nomeado como melhor disco independente europeu pela Associação Europeia de Editoras Independentes, ao lado de nomes como The XX, Ibeyi, King Krule, Laura Marling, Fever Ray ou Haldus Harding.

Com destaques em meios como a norte-ameriacana NPR, a inglesa BBC, as alemãs NDR ou MusikExpress e distribuição do seu disco de estreia em vários países e agenciamento internacional pela Toutpartou, Surma tem trilhado uma carreira internacional que neste ano de 2018 já a levou a mais de 50 concertos em catorze países.

O primeiro single de "Antwerpen", "Hemma" valeu-lhe também a nomeação para os Prémios Autores SPA referentes à melhor canção do ano.

Apesar dos extensos periodos de digressão e cá em Portugal também conta já com 30 concertos este ano, Surma já trabalha em material novo, assim como temas para bandas sonoras (como a da longa metragem SNU) e há ainda algumas colaborações a serem ultimadas.

ENG

 

SURMA

Surma é o alter-ego musical de Débora Umbelino, que é original de Leiria mas, sozinha em palco, leva-nos a visitar locais bem mais exóticos.

 

Inspira-se no silêncio e rodeia-se de teclas, samplers, cordas, vozes e loop stations em sonoridades que fogem do jazz para o post-rock, da electrónica para o noise e nos levam para paragens mais ou menos incertas, com paisagens desconhecidas e muito prazer na viagem.

O disco de estreia, "Antwerpen", lançado no final de 2017 recebeu páginas de destaque em meios como o Público, Expresso ou Blitz, figurou na maioria das listas de melhores do ano, correu doze países em digressão (passando já este ano pelos palcos do Eurosonic, South By Southwest, New York Indie Music Week, NOS ALIVE, Paredes de Coura, Waves Vienna ou Iceland Airwaves)  e  foi nomeado como melhor disco independente europeu pela Associação Europeia de Editoras Independentes, ao lado de nomes como The XX, Ibeyi, King Krule, Laura Marling, Fever Ray ou Haldus Harding.

Com destaques em meios como a norte-ameriacana NPR, a inglesa BBC, as alemãs NDR ou MusikExpress e distribuição do seu disco de estreia em vários países e agenciamento internacional pela Toutpartou, Surma tem trilhado uma carreira internacional que neste ano de 2018 já a levou a mais de 50 concertos em catorze países.

O primeiro single de "Antwerpen", "Hemma" valeu-lhe também a nomeação para os Prémios Autores SPA referentes à melhor canção do ano.

Apesar dos extensos periodos de digressão e cá em Portugal também conta já com 30 concertos este ano, Surma já trabalha em material novo, assim como temas para bandas sonoras (como a da longa metragem SNU) e há ainda algumas colaborações a serem ultimadas.

ENG